Conselho da Comunidade – o que é?

cropped-editada_capa.jpg

Isabel Kugler Mendes em uma das vistorias

A participação da sociedade no cumprimento da pena imposta aos que cometem delitos é fundamental para a mudança de um quadro quase insustentável de criminalidade, esquecimento e reincidência. Esse é o papel do Conselho da Comunidade, órgão da Execução Penal que atua dentro dos presídios e delegacias, e junto às famílias, egressos e instâncias dos poderes constituídos a fim de denunciar violações de direitos humanos, atender demandas do sistema prisional, interceder pela normalidade nos cumprimentos de pena, fiscalizar e salvaguardar as garantias legais e buscar estabilidade para os egressos e suas famílias.

Segundo estimativas do Departamento Penitenciário Nacional (dados de abril de 2016), o Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo: 622 mil presos, atrás apenas de Estados Unidos (2,2 milhões), China (1,4 milhão) e Rússia (644 mil). Entre presídios estaduais, federais, delegacias de polícia com carceragem e apenados com tornozeleira eletrônica, o Paraná tem 34 mil presos. O perfil também é bastante incisivo: 40% dos presos são provisórios. Ao compasso, a população carcerária respeita exatamente o perfil desenhado pelo IBGE em relação à desigualdade: a maioria é jovem (55% têm entre 18 e 29 anos), negra (61,6%) e tem até o ensino fundamental completo (75,08%). Cerca de 28% dos detentos respondem ou foram condenados por crime de tráfico de drogas, 25% por roubo, 13% por furto e 10% por homicídio.

O ritmo de crescimento de mulheres presas também chama a atenção. De 2005 a 2014, esse número cresceu em média 10,7% ao ano. Em termos absolutos, a população feminina aumentou de 12.925 presas para 33.793 no país. O tráfico de drogas foi o crime que mais motivou a prisão, 64%, seguido por roubo (10%) e furto (9%), em taxas bem inferiores.

Diante desse quadro, aproximar a comunidade da Execução Penal tende a aumentar a chance de recuperação do preso. A própria Lei de Execução Penal (LEP), de 1984, objetifica essa condição harmônica como passo decisivo da reintegração social. Em nível global, o Brasil é signatário de ao menos três grandes tratados internacionais que caminham nesse mesmo trilho: Regras Mínimas Para o Tratamento de Presos da ONU, de 1955; Convenção Internacional Contra a Tortura e Outros Tratos ou Penas Cruéis, de 1984; e Convenção Interamericana Para Prevenir e Punir a Tortura, de 1985. Desde a homologação desses acordos, em tese, qualquer pessoa privada de liberdade por delito mais ou menos grave tem os mesmos direitos dos outros cidadãos, menos o acesso ao convívio social diário do qual foi privado por ordem judicial.

O Conselho da Comunidade é um dos garantidores desses textos. Apesar de ter sido instituído em forma e conteúdo com a Lei de Execução Penal, junto de outros órgãos da Execução Penal (Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, Juízo de Execução, Ministério Público, Conselho Penitenciário, Departamentos Penitenciários, Patronato e Defensoria Pública), o Conselho só passou a atuar de forma oficial em Curitiba e Região Metropolitana há três anos – em outros lugares, como Foz do Iguaçu, ele já se faz presente há mais tempo.

Desde então, o Conselho da Comunidade de Curitiba visita mensalmente todos os presídios (10) e delegacias (13) da comarca da Região Metropolitana, arrecada doações para os detentos, auxilia os egressos no encaminhamento familiar, fiscaliza o cumprimento das penas dentro dos parâmetros estabelecidos pela lei, diligencia materiais e recursos para necessitados (presos ou familiares) e faz relatórios mensais para o Conselho Penitenciário – além de servir como elo de comunicação da Execução Penal com a sociedade.

Segundo a própria LEP, o Conselho da Comunidade tem por meta algumas diretrizes básicas, tais quais a defesa da democracia e dos direitos humanos, a participação social, a compreensão dos processos históricos que levaram ao delito e representações/intermediações em torno de toda a comunidade carcerária, dos agentes, presos, familiares e programas governamentais. O Conselho também participa de fóruns educativos e tem caráter consultivo para qualquer demanda do sistema carcerário.

Os trabalhos compreendem ainda oportunizar e cobrar a participação dos presos nos programas de aprendizagem (estudo e trabalho) dentro das penitenciárias, apoiar o egresso a fim de promover sua reinserção social e estabelecer um diálogo sério e sólido com a sociedade sobre a situação prisional do país.

Fazem parte do Conselho da Comunidade da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba – Órgão da Execução Penal:

Isabel Kugler Mendes – presidente

Edda Mello Silva – vice-presidente

Isabel Cecília Paredes – 1ª secretária

Marino Galvão – 1º tesoureiro

Elisabete Subtil de Oliveira – coordenadora administrativa

Leovalda Rodrigues Moreira – assistente social

Maria José de Paula – auxiliar administrativa

Nilis Santiago – técnico financeiro

Mariana Pedroso – estagiária de Direito

Synthia Ribeiro de Camargo – eventos

Orli Pereira – motorista

Eriksson Felipe Denk – comunicação

__________________

ENTRE EM CONTATO:

Telefone: (41) 33524862 – (41) 30224862

E-mail: conselhodacomunidadecwb@hotmail.com

Endereço: Rua João Gualberto, 741 – Alto da Glória – Curitiba – Paraná

Anúncios

2 comentários sobre “Conselho da Comunidade – o que é?

  1. Gostaria de saber quais ajudas o conselho da comunidade fornece para um ex apenados que cumpriu anos de pena saiu nao tem apoio da familia e nao consegue emprego fixo devido seu passado muito grato se puderem tirar minha duvida

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s