CNJ lança banco de monitoramento sobre as prisões brasileiras

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou nesta segunda-feira (20) o Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP 2.0). O sistema reúne as informações processuais e pessoais de todos os presos sob custódia do Estado Brasileiro, permitindo que o cidadão saiba precisamente quantos presos há no país, onde eles estão e por que motivo estão encarcerados.

O BNMP 2.0 já foi implantado em Roraima, onde 100% dos custodiados estão incluídos no cadastro. De acordo com a ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), a plataforma será estendida no dia 6 de dezembro a São Paulo e Santa Catarina e até abril de 2018 para as demais unidades federativas.

Segundo a ministra, o banco é uma formulação que complementa o entendimento do STF segundo o qual o Brasil está em “estado de coisas inconstitucionais” em matéria penitenciária. O anúncio foi feito no XI Encontro Nacional do Poder Judiciário, em Brasília.

Para Cármen Lúcia, o banco irá facilitar o acesso das famílias aos processos de execução penal. “O cadastro de presos no Brasil deverá facilitar não apenas a atuação do juiz, mas deverá garantir direitos dos presos e também das famílias das vítimas, que saberão em que condições estão os processos, onde estão essas pessoas que foram condenadas ou processadas e quais os fatos subsequentes”, disse a ministra nesta segunda (20).

O CNJ é o órgão responsável por definir políticas públicas penitenciárias voltadas ao enfrentamento da superpopulação carcerária. O Brasil é o terceiro país em número de presos (640 mil) e o único que consolida aumento ano a ano, ao contrário de Estados Unidos e China.

Ao acessar a nova versão do BNMP, será possível consultar os réus presos por vara e há quanto tempo. Outra funcionalidade do sistema permitirá emitir um relatório personalizado, de acordo com as necessidades do juiz.

Banco Nacional de Mandados de Prisão

O CNJ conta desde 2011 com um Banco Nacional de Mandados de Prisão. A consulta é pública e está disponível para todo o país. De acordo com o último relatório, 607.575 mandados aguardam cumprimento no Brasil. No Paraná, há 26.745 em aberto.

Com informações da Agência de Notícias do CNJ.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s