Paraná abre 1.261 vagas no sistema prisional com unidades de progressão

Unidades de Progressão contam com tratamento penal voltado para estudo e trabalho. Foto: Divulgação/Depen

O Departamento Penitenciário do Paraná abriu 1.261 novas vagas no sistema prisional do Estado entre novembro e dezembro, com a inauguração de galerias voltadas ao trabalho de progressão, nas quais os presos trabalham e estudam em tempo integral. Nesta semana foram abertas 300 vagas com a inauguração de quatro unidades penais de progressão no interior: Maringá, Paranavaí, Cruzeiro do Oeste e Francisco Beltrão.

Além dessas quatro cidades, já foram inauguradas unidades de progressão em Foz do Iguaçu (248 vagas em penitenciária feminina), Ponta Grossa (140 para homens), Cascavel (143 para homens), Guarapuava (220 para homens) e Londrina (160 para homens e 60 para mulheres).

SAIBA MAIS: Penitenciária modelo de Piraquara completa dois anos com enorme sucesso no Paraná

Resultado de uma parceria do Governo do Estado com o Tribunal de Justiça, as unidades de progressão fazem parte das ações do projeto Cidadania nos Presídios, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Considerada modelo em tratamento penal no país, a iniciativa atende presos em fase final de cumprimento de pena que se preparam para o retorno do convívio em sociedade.

A ideia nasceu na Penitenciária Central do Estado – Unidade de Progressão (PCE-UP), em Piraquara, e completou dois anos em novembro com índices de reincidência na casa de 10% e capacidade para preparar a saída de mais de 250 presos.

Além das unidades de progressão, o Depen instalou nessas cidades Escritórios Sociais e Postos Avançados de Monitoração, que oferecerão suporte e serviços aos presos em monitoramento eletrônico.

O Escritório Social propõe atendimento em diversas áreas, como saúde, qualificação, encaminhamento profissional, atendimento psicossocial, assistência jurídica e regularização de documentação civil. Já o Posto Avançado de Monitoração Eletrônica é responsável pela instalação, manutenção e retiradas das tornozeleiras eletrônica.

MAIS

ENTREVISTA – “O encarceramento feminino é uma consequência da sociedade”, diz nova coordenadora da Pastoral Carcerária

CNJ e ONU fecham acordo para enfrentar questão carcerária no Brasil

Câmara aprova prisão domiciliar para grávidas e mães de pessoas com deficiência