Complexo Penitenciário: banheiros sujos e precários para visitantes

Banheiro para visitantes na entrada do Complexo Penitenciário em Piraquara

Semanalmente, dezenas de mães, esposas e familiares madrugam e enfrentam longas filas para visitarem apenados nas penitenciárias de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba. Antes de passarem pela revista, aguardam pacientemente, faça chuva, faça sol, a autorização para entrar no Complexo Penitenciário, na zona rural do município, que abriga sete unidades prisionais.

O sofrimento dessas pessoas por terem entes atrás das grades é reforçado pelas agruras a que são submetidas nas horas que antecedem a autorização para a visita. Além de ficarem ao relento, os banheiros disponibilizados estão em situação precária – entupidos, sujos e sem condições mínimas de higiene.

“Essas pessoas acabam condenadas, como seus entes. Mulheres, crianças e idosos são submetidos a situações vexatórias e não têm acesso à condições mínimas de conforto e higiene”, afirma Isabel Kugler Mendes, presidente do Conselho da Comunidade da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba – Órgão da Execução Penal. “Saem das suas casas de madrugada. Falta condução até o complexo. Cumprem as determinações impostas para visitarem seus parentes presos. Elas suprem uma demanda negligenciada pelos governos, quando levam alimentos, produtos de higiene e limpeza e vestuário aos seus parentes no dia da sacola. Por que o Estado não pode oferecer o mínimo de respeito a essas pessoas?”, reforça a presidente do Conselho da Comunidade da RMC.

Esperança

A expectativa é um pouco desse sofrimento seja remediado em breve. Um barracão na entrada do Complexo Penitenciário está sendo reformado com recursos da Justiça Federal para dar mais conforto às famílias dos presos nos dias de visita. O local vai ter novos banheiros. A dúvida é que após ser concluído, o espaço tenha uma manutenção constante.